Buscar
  • Pr. Diogo da Hora

A PERGUNTA DEFINITIVA


Sem sequer percebermos, adotamos ditos populares que, outrora, foram pronunciados por grandes pensadores, apesar de suas origens. Um desses ditos, por exemplo, é a frase “somente um idiota responde uma pergunta com outra pergunta”, dita pelo aristocrata mexicano Senhor Barriga. A cada dia que passa, queremos pensar menos. Queremos que tudo seja mais fácil, mais simples. Queremos respostas prontas e fáceis para todas as perguntas difíceis que a vida nos apresenta. A verdade é que isso não é novidade. Nos dias em que nosso Senhor andou entre nós, pessoas o procuraram querendo respostas simples para a pergunta mais importante de todas: “que farei para herdar a vida eterna?” (Lc 10.25)


A resposta de Jesus certamente não agradaria ao Senhor Barriga. Ao invés de cumprir o protocolo judaico e responder ao mestre da Lei que era necessário cumprir os mandamentos e, assim, honrar aquele homem, Jesus lhe devolveu a pergunta (Lc 10.26). Assim, um diálogo se desenrola (Lc 10.25-37), no qual se revelou o que realmente estava no coração daquele homem que interrogou Jesus. A pergunta final do homem foi: “quem é o meu próximo?” (Lc 10.29), a qual Jesus respondeu contando a parábola do Bom Samaritano e devolvendo a pergunta ao mestre da Lei. Entretanto, essa pergunta retornou invertida e essa inversão faz toda diferença.


Para o mestre da Lei, importava apenas a si mesmo. Mesmo seu interesse de cumprir a Lei era apenas em favor dos que lhe eram próximos. A parábola do Bom Samaritano e a inversão na pergunta de Jesus nos mostra que a questão central não é quem está perto de nós, mas de quem nós estamos perto e de quem precisamos nos aproximar. Ao contrário do levita e do sacerdote que se distanciaram do homem ferido, o samaritano se aproximou do necessitado. Ao contrário dos bandidos que saquearam e abandonaram o homem ferido, o samaritano pagou sua conta, permaneceu a noite cuidando dele e lhe prometeu voltar.


Constantemente, perguntamos a Deus como podemos O servir. Perguntamos até mesmo quem é nosso próximo a quem devemos fazer o bem, sem nem perceber que fazer o bem a quem já é meu próximo é mera conveniência. Jesus não veio ao mundo por conveniência. Pelo contrário, ele se aproximou de nós quando ainda éramos seus inimigos (Rm 5.8, 10), pagou a conta de nosso pecado com seu sangue na cruz (1Pe 1.18-19) e prometeu voltar para nos buscar (Jo 14.3, 28). Aproximar-se, sacrificar-se e permanecer. Esses são três passos necessários para nos tornarmos próximos daqueles que precisam de nós. De quem Deus está pedindo que você se torne próximo?


10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo